quarta-feira, 26 de maio de 2010

Frankstein não queria machucar ninguém, mas nao conseguia evitar - era um monstro. De certa maneira, era o próprio amor: horrível e maravilhoso, apavorante e libertador, arrepiante e triste, tudo ao mesmo tempo.
Gossip Girl - Eu quero tudo!

Um comentário:

B. disse...

adorei