quarta-feira, 22 de junho de 2011



Fingir que está tudo bem, os olhos borrados, o canto da boca levemente mordido na tentativa de matar a vontade que grita, que arde. Fingir que está tudo bem enquanto o telefone não toca, a vida não gira. Fingir que está tudo bem, o coração a tilintar feito pequenos cristaizinhos pulando no chão.  Odeio amar, não é engraçado? Amanhã tento de novo. Amar só é bom se doer. Desculpe tanta sede, tanta insatisfação. Amanhã, amanhã, recomeço. Te espero. Te Beijo.

CAIO F. ABREU

Um comentário:

Maíra disse...

Já me disseram para eu ter calma, mas eu tento, mas não consigo disfarçar o que sinto. Fazer o que se estou assim...
Lindo Caio
Beijos